Cacá, uma mulher quase igual a você - Geralda Alves



Nascida Miocárdia, numa cidade chamada Riobelo  – “cidadezinha envelhecida e preguiçosa” – a protagonista faz a narração do livro (em primeira pessoa). Miocárdia Carvalho Malta de Alencar é o seu nome de batismo. Ela já é uma mulher e escolheu o nome de Cacá. A garotinha de outrora agora é “uma mulher quase igual a você”.

Cacá, uma mulher quase igual a você, de Geralda Alves, foi publicado pela Luva Editora em 2017 (80 páginas).

O leitor vai então conhecer a história da menina, que confidencia os acontecimentos que se passam no seio de sua família, fala de seus sonhos de pequena, conta histórias sobre os habitantes de Riobelo e outras tantas inusitadas da qual fez parte. Ela nos traz uma gama de personagens que rementem às cidades interioranas: a beata, o farmacêutico, a professora, as vizinhas, os amigos de infância. As histórias se passam da década de 1960 até a década de 1980 – período este em que o país passou por grandes transformações sociais e que estão ali, de pano de fundo na obra, servindo para demonstrar a trajetória dos personagens.

Cacá é filha de uma doceira e de um delegado e nos conta histórias que envolvem suas travessuras, o gosto pelas festas populares, como a “coroação do Rei Congo”, as relações afetivas com o local em que mora e com seu tio – que vive no sótão da casa, além  das descobertas da infância e a vida na cidade.

“Por mais estranho que possa parecer, também era muito divertido ir aos velórios. Dado à singeleza das pessoas, quando alguém morria, a cidade fervilhava. Para a família, dia de luto; para as crianças, dia de festa.”

Certo é que até a metade o livro o leitor já terá expressado algum sorriso no rosto, se emocionado com algumas passagens, sentindo o ar do interior, o cheiro de infância, a saudade que dá de tempos passados.

Cacá tem histórias divertidas, mas também nos revela momentos que mexem com as emoções. A personagem, por meio de seus relatos, encanta o leitor. Está nela a diabrura dos tempos de criança, a descoberta de novidades, a ingenuidade de traçar paralelos, a praticidade de resolver o que parece sem solução.

A personagem passa para a adolescência, embalada por rock, twist, tropicália, bossa nova e o desejo de dançar de rosto colado com Cocadinha, com quem teve “um beijo mixuruca, apressado, desengonçado e meio babado”. Cursa a universidade em que acredita que a “moçada era muito descolada para se enturmar com a camponesinha de Riobelo”.

Cacá é jocosa, tem força, é astuta, tem doses de inocência, demonstra-se verdadeiramente humanizada e é difícil não se encantar por ela. Tem sua brejeirice e uma simpatia que salta das páginas do livro. As histórias que nos conta coloca-nos num pequeno mundo, o mundo dela, que se expande ao dar-nos conhecimento sobre fatos corriqueiros, mas bem contados, inusitados, humorados.

Ler o livro nos dá saudade dos tempos de infância, traz lembranças do tempo escolar, das pessoas diferentes que passam pela nossa vida e que costuram, mesmo sem querer, a sua história com a nossa.

Cacá é um livro adorável. Miocárdia se revela inteira em oitenta páginas bem descritas pela autora. Mesmo as etapas dolorosas que são contadas na vida dessa menina, são suavizadas pelo modo como a escritora nos conduz pela trama.

Os capítulos são curtos e parecem contos (todos, indistintamente, se fecham), o que nos dá a impressão de termos contato com vários fragmentos do passado dessa mulher e que muitas outras histórias podem surgir e precisam ser contadas. É um livro prazeroso de ler e a narradora desperta empatia. Ao final da obra temos vontade de ter Cacá no nosso rol de amizade. Cacá de fato pode ser uma mulher quase igual a você.

Foto: Reprodução
Sobre a autora:

Geralda Alves, mineira de Araçaí, cresceu lendo revistas, colecionando álbuns de figurinhas e ouvindo jovem guarda. Vibrou com a conquista do tri no futebol, viu a mãe argentina chorar pelo filho, o brasileiro ser expulso do país, torceu pela volta do irmão do Henfil, namorou com o Roberto Carlos, tocou guitarra com o Lulu Santos e cantou com o Raul Seixas.

Cresceu, ensinou e aprendeu. Hoje, inventa histórias. Algumas escreve, outras só no coração. Apaixonada pela vida , é uma eterna aprendiz.

Ficha Técnica

Título: Cacá, uma mulher quase igual a você
Escritor: Geralda Alves
Editora: Luva
Edição: 1ª
Número de Páginas: 80
ISBN: 978-85-93350-07-8
Ano: 2017
Assunto: Literatura brasileira

Cacá, uma mulher quase igual a você - Geralda Alves Cacá, uma mulher quase igual a você -  Geralda Alves Reviewed by Tomo Literário on 08:07 Rating: 5

Nenhum comentário:

Deixe aqui seu comentário.

Tecnologia do Blogger.