[Entrevista] Pedro Fontes



Pedro Fontes é escritor dos livros Possuído e Amor & Preconceito. Ele concedeu entrevista ao Tomo Literário e falou sobre suas obras, literatura LGBT, novos projetos, além de contar que autores e livros o inspiram. Confira a entrevista e boa leitura!

Tomo Literário: Para começarmos, como foi a sua entrada meio literário?

Pedro Fontes: Bom, acho que posso dizer que foi um tanto estranha e engraçada. Quando eu era bem menor, eu tinha um computador Windows 95 (visualize essa época bem antiga). Eu gostava de digitar, eu digitava histórias infantis que já existiam, pelo simples fato de gostar de digitar. Logo em seguida, tive vontade de escrever algo meu, então escrevi um conto no Power Point porque, como criança, adorava a transição de textos e imagens. Depois eu criei um blog onde comecei a postar histórias mais sérias, porque sempre tive aquela sensação de querer escrever e se não o fizesse, não sei, me sentiria incompleto. Larguei o blog e decidi oficialmente entrar no mundo literário. Comecei a escrever meu primeiro livro de terror, primeiro volume de uma saga em 2014 e terminei em 4 meses. A partir daí, sabia que era isso o que eu queria fazer.

Tomo Literário: Amor & Preconceito acaba de ser publicado pela Editora Skull em dois volumes. Como surgiu a ideia dos livros?

Pedro Fontes: A ideia foi bem fácil, isso quase nunca acontece com um autor, não é? (Risos). Eu sei que o mundo tem histórias e gêneros muito saturados, histórias que ninguém aguenta mais ler. Há pessoas como eu que ainda querem investir nesses gêneros saturados, mas querem fazer algo diferente. No meu caso, foi com a temática LGBT. Eu sei que tem muitas histórias LGBT’s e que a maioria envolva sexo e as histórias não tem histórias, é só sexo. Também sempre usam um adolescente como personagem que sofre preconceito, isso quando não são romances homoeróticos, aí voltamos à questão do sexo sem história. Então, a minha ideia é totalmente ir contra a tudo isso, literalmente remar contra a maré. Criar um romance utilizando personagens adultos, onde meu protagonista e narrador da história tivesse problemas cotidianos a resolver e aí sim, encaixar um romance e falar do preconceito que sempre tem. Ah, e fugir do sexo. Eu sei que as pessoas estão procurando histórias desse tipo e não acham, então espero conseguir cativar a todos com essa “novidade” (risos).

Tomo Literário: Amor & Preconceito é um romance LGBT, não hot, que mescla romance, drama, humor e mistério. Quais as suas expectativas em relação a aceitação do livro pelo público? A temática LGBT tem conquistado mais espaço?

Pedro Fontes: Em relação a aceitação do público, não vou mentir que fico muito temeroso, eu tenho muito medo sim. Acho que a maioria faz aquela junção de LGBT + hot e o meu não tem nada disso, ele foge totalmente dos padrões e quando você faz algo diferente do que a maioria conhecia, todos olham pra você como um estranho. Tenho medo não de não gostarem da história, mas de compararem a minha história por ser “diferente” a uma história homoerótica. Mas parte de mim também acredita que eu vá conseguir quebrar esse estereótipo de que todo LGBT é hot. Eu acredito que vou conseguir dar uma segunda visão às pessoas sobre histórias desse tipo. Sim, acredito que LGBT tem conquistado mais espaço sim. Ainda tem que melhorar, ter mais produções literárias com essa temática, mostrar coisas diferentes fictícias e reais também, mas o espaço conquistado até aqui tem sido muito bom.

Tomo Literário: Quanto tempo durou todo o processo, da escrita até a publicação? E que mais te agradou no processo?

Pedro Fontes: Eu comecei esse romance um mês depois de ter terminado o meu primeiro livro que é do gênero terror. Escrevi o livro de terror em quatro meses. O romance, eu comecei no dia 24 de Maio de 2014 e terminei no dia 29 de Junho de 2017, então foram três longos anos. Eu publiquei-o em dois meses. O que mais me agradou foram as pesquisas que eu fiz e alguns contatos também. No livro há poemas, muitas músicas e todos os capítulos têm uma citação inicial, algumas delas de amigos escritores e poetas também. Então, pedir autorização e conversar com eles foi muito bom, buscar músicas para montar o clima da cena e dos personagens, pesquisar os poemas e as citações certas foi com certeza o que eu mais gostei de fazer.

Tomo Literário: Na sua visão, quais são os maiores desafios que o escritor brasileiro tem enfrentado atualmente?

Pedro Fontes: Começando do básico, escrever. Tem muita gente que escreve, mas prefere guardar para si porque tem medo de publicar. Publicar é outro desafio, dos grandes. É difícil para um escritor encontrar a editora certa e que vá fazer jus a seu trabalho. A maioria tende a ter medo de dar errado e não ser conhecido. Ser conhecido, acredito que seja o terceiro desafio. Você pensa: eu escrevi, eu publiquei, mas será que as pessoas vão ler? E todo o dinheiro que gastei? Então ter visibilidade no território nacional é algo que escritor brasileiro precisa enfrentar todo dia para ganhar seu devido mérito e provar que literatura nacional também vale a pena.

Tomo Literário: Você também escreveu Possuído, que conta uma história que tem nuances sobrenaturais. Como é navegar por gêneros literários diferentes?

Pedro Fontes: Para mim foi um pouco difícil (risos). Eu leio romance, mas depende da história, assim como escrever. Eu não tenho tanta facilidade com romances, mas depende de como será a história. Terror é, além de meu gênero favorito como leitura, também é favorito como escrita. Tenho mais facilidade e inspiração para esse tipo de história, por isso escrevi Possuído tão rápido. Sair de um gênero favorito e mais fácil de escrever e ir para algo fora da zona de conforto não foi fácil. No início, a história foi caminhando bem devagar, mas logo depois tudo deu certo (risos).

Tomo Literário: O que te move a escrever?

Pedro Fontes: Pergunta difícil (risos). Primeiramente, eu gosto de escrever para mim, acho que todo autor. E depois você escreve para que as pessoas leiam. Eu sempre tenho histórias e histórias na minha cabeça, várias. Então, sempre estou tentando de alguma forma expressá-las no papel e depois deixar que leiam. Eu amo escrever e desde que descobri isso, sinto que hoje não poderia viver sem.

Tomo Literário: Está trabalhando em algum novo projeto literário? Pode nos contar?

Pedro Fontes: Atualmente, não estou trabalhando em nada novo. Mas depois de finalmente ter concluído o meu romance que durou esses três anos, no próximo ano, pretendo escrever o segundo volume da saga do Possuído, porque já me perguntaram e continuam perguntando sobre a continuação (risos).

Tomo Literário: Que autores você recomenda ou quais autores influenciaram o seu trabalho como escritor?

Pedro Fontes: Os meus preferidos e influenciadores sempre são Stephen King e Jane Austen. Recomendo para quem escreve os mesmos gêneros que eu.

Tomo Literário: Que livros, de quaisquer gêneros, você indicaria aos leitores e de que maneira esses livros te tocam?

Pedro Fontes: Esses foram alguns livros que eu gostei muito: O Pequeno Príncipe, A Revolução dos Bichos, It – A Coisa, Reparação e Razão e Sensibilidade. O Pequeno Príncipe é uma história que não tem como não se sentir tocado, deveria ser leitura obrigatória de todo mundo (risos). A Revolução dos Bichos é uma boa representatividade da nossa sociedade, então é um ótimo livro bem reflexivo. Em It – A Coisa, além do palhaço se transformar nos medos, o interessante é o que o poder da amizade pode ser capaz de combater, amizade é magia. É um livro excelente, o melhor do autor para mim. Reparação, resumidamente, é sobre uma mentira que destruiu vidas e nós sabemos que a mentira pode mesmo ter esse poder, ela destrói tudo. Razão e Sensibilidade é o meu livro favorito da Jane Austen junto com Persuasão, mas falando do primeiro, nós temos duas protagonistas que agem de formas diferentes, uma mais racional, outra mais emotiva. Eu tenho por mim que as pessoas se dividem assim, costumo dizer que sempre temos as duas coisas, razão e emoção, mas sempre tem um lado que predomina. É uma história linda com reviravoltas. Incrível.

Tomo Literário: Quer deixar algum comentário para os leitores?

Pedro Fontes: Bom, espero que gostem da entrevista, quero agradecer ao Tomo Literário por me convidar. Vocês podem me acompanhar nas redes sociais e todos os meus trabalhos, espero poder mostrar o meu melhor, espero que gostem das minhas obras e quero mostrar também que a literatura nacional é tão boa quanto a estrangeira. Confie e dê uma chance aos autores nacionais!

Foto: Reprodução
Saiba mais sobre o autor

Pedro Fontes nasceu na cidade de Volta Redonda no Estado do Rio de Janeiro. Virginiano, estudante do curso Bacharel em Nutrição, leitor voraz, blogueiro resenhista de livros, cinéfilo desde os 6 anos de idade, amante dos gêneros Terror, Mistério/Suspense, Romances de Época ou livros com temas inovadores e viciado em café desde sempre, é também um autor nacional.

Aos 17 anos tornou-se autor da sua primeira obra do gênero Terror: Possuído – O Pentagrama, livro que inicia a saga: “Possuído”. Possuído – O Pentagrama seria apenas um simples conto, mas acabou se transformando em algo maior. Além de assistir a muitos filmes e ser aficionado pelo gênero, a ideia surgiu de escrever sobre um mundo onde os temas eram: o sobrenatural, o diabólico, exorcismos, possessões, símbolos, demônios e tudo o que estiver ligado a isso.

Conheça os livros do autor

Amor & Preconceito - Duologia

Embora haja três personagens principais, esse romance tem ênfase própria na história de dois protagonistas: Adrian e Theo.

Adrian Dantas é um homem racional, centrado e sério que trabalha em uma empresa internacional com publicidade. Além da própria família, o seu trabalho era a única coisa que tinha importância. Ele não tinha tempo para nada na vida e não se importava, era feliz com o emprego e a vida que tinha. Porém, sua filosofia parece mudar completamente ao reparar na bela e jovem moça chamada Alice. Não é só o amor repentino pela mulher de longos cabelos negros que faz o seu mundo girar, assim como terríveis notícias que o desnorteia totalmente levando-o à solidão. Mas ele tem a chance de refazer-se ao mudar para outro país.

Theo Beaumont é um homem oposto a Adrian. Além de ser alguns anos mais velhos, alegre e interativo, ele encontra-se em uma situação econômica abaixo do instável, quase desfavorável. Por esse motivo principalmente, saiu de seu país de origem e mudou-se para os Estados Unidos em busca de uma vida melhor.

Theo conseguiu um emprego trabalhando em uma feira popular no Wisconsin, o dinheiro não era muito, mas o suficiente para viver. Adrian encontrando-o em tal situação resolveu ajudá-lo e desde então ambos se tornaram melhores amigos.

Uma amizade, ao longo do tempo, se transforma magicamente e misteriosamente em amor e é isso o que vem acontecendo com Adrian. Ele vê-se apaixonado pelo melhor amigo, mas também absurdamente confuso. Estaria apaixonado pela beleza física e imponente de Theo ou tudo se transpõe para além dos olhos azuis? Os sentimentos poderiam ser verdadeiros?

Pré-Venda disponível no site da Editora Skull.

Possuído – O Pentagrama

Mudar-se para outro lugar – seja cidade, estado ou país – é uma boa forma de começar vida nova... começar do zero! Principalmente quando se tem planos para o futuro.

Eduardo Ferreira mudou-se para o Arizona. Com 23 anos de idade, vive com a esposa Lana, grávida há alguns meses, e é formado em arquitetura. Uma vida perfeita.

Porém, ao assistir uma reportagem no Youtube sobre a violenta morte de algumas pessoas, Eduardo descobre que o assassino poderia ser seu pai, Marcos, e para piorar, testemunhas diziam que Marcos estava possuído por um demônio.

Intrigado com a situação e sem acreditar em nada, Eduardo resolve juntar-se a seu melhor amigo, Michael, para gravarem um documentário sobre Marcos Ferreira, após descobrir que o pai encontra-se internado em uma clínica psiquiátrica. Durante o documentário, Eduardo busca uma resposta para a pergunta que o atormenta: seu pai estaria verdadeiramente possuído?

Disponível no site da Drago Editorial.

Histórias publicadas no Wattpad e Luvbook: Vulnerável, Amizade & Justiça, Bondade, Outono, O Segredo Perfeito, Perigoso Amor, Entardecer, Anoitecer, Amanhecer e Eternidade.

Acompanhe Pedro Fontes nas redes sociais

Wattpad: @Pedro_Fontes20
Luvbook: @pedrofontes20

[Resumo da Semana] 17 até 23 de Setembro de 2017



Veja tudo que rolou no blog no período de 17 até 23 de setembro. Teve resenha, entrevista, lançamentos, informações sobre eventos e muito mais. 

17 de Setembro – A ciência pode explicar o sofrimento?

17 de Setembro – Editora Boa Nova aposta em produtos licenciados para ensinar e divertir as crianças.

18 de Setembro – Resumo da semana anterior.

18 de Setembro – Mulherio das Letras terá seu primeiro encontro nacional em João Pessoa.

18 de Setembro – Lançamento do livro Guerra da Minha Rua, de Victhor Fabiano, na Casa das Rosas, em São Paulo.

19 de Setembro – Conheça O Segredo da Esfinge, livro de Luciane de Castro Raposo.

19 de Setembro – Diários de Extermínio, do escritor B. R. Peruzzo entra em pré-venda no dia
25 de setembro no site da Editora Skull.

19 de Setembro – Anjo Russo, traz neve, aurora boreal e um manuscrito do século XIII.

20 de Setembro – Creepshow, HQ de Stephen King, é lançada pela DarkSide Books.

20 de Setembro – Sorteio Conheça Diário de Uma Escrava, de Rô Mierling, será realizado no Instagram do Tomo Literário. Participe!

20 de Setembro – Resenha do livro Arco de Virar Réu, de Antonio Cestaro, publicado pela Editora Tordesilhas.

21 de Setembro – Stephen King 70 anos.

21 de Setembro – Lançamento do livro Que Amores de Sons, da Editora do Brasil.

22 de Setembro – Livros de Cecília Machado, publicados pela Editora Autografia, levam o leitor para França e Itália.

23 de Setembro – Seletiva especial de contos da Editora Illuminare homenageia King, Poe e Lovecraft. Prepare seu conto e participe.

23 de Setembro – Entrevista com o escritor Ben Oliveira, autor do livro Escrita Maldita.

Lançamento do Livro Pra Amanhecer Ontem, de Anna Mariano



A L&PM Editores e a autora Anna Mariano convidam para o lançamento e sessão de autógrafos do livro Pra Amanhecer Ontem. Quando e onde?

26 de setembro (terça-feira) às 19h na Livraria Saraiva Moinhos Shopping, Porto Alegre/RS.

Confira a sinopse do livro

Cúmplice dos mais devastadores segredos, acolhedora, mas também implacável, palco da infância e da vida adulta, florida e lúgubre, esta é a casa dos Sampaio de Alcântara, onde cresceram as irmãs Olga, Clotilde, Maria Eulália e Ana Rita. A infância feliz, as brincadeiras na escada de mármore, as estripulias no jardim e o sentimento de proteção garantido pelos cuidados que as empregadas Máxima e Adelina dedicavam à casa e às meninas deram lugar à vida adulta e suas guinadas.

Olga e seu desejo de sobreviver a um casamento fracassado; Clotilde, controladora e sensual, a “matriarca” das irmãs; Maria Eulália, sensível a tudo que acontece ao seu redor, capaz de ler o destino na mão das pessoas, mas incapaz de controlar o seu; e Ana Rita, a irmã de criação que nunca se sentiu realmente parte da família.

Para além do laço que as une está a adolescente Elisa, filha de Olga, única descendente das quatro; a próxima geração, que não nasceu na casa mas que tem sua vida ligada à ela. São de Elisa as anotações para um romance que está sendo escrito enquanto a vida acontece. Cabe a ela o desfecho desta história.

Tendo como pano de fundo a ditadura militar brasileira, este romance contado a três vozes é uma leitura apaixonante. Como uma fatia de bolo quentinho oferecido por Adelina ou um chá reconfortante preparado por Máxima, Pra amanhecer ontem nos leva a lugares onde se misturam lembranças de infância e desafios do mundo adulto, mas principalmente à intrincada tapeçaria das relações familiares.