Girassóis Femininos – Luís de Oliveira



Vemos diariamente no noticiário crimes cometidos contra mulheres. Crimes bárbaros que as levam à morte. Trata-se de uma questão de suma importância a ser debatida e, sobretudo, que leve a ações efetivas que reduzam drasticamente a violência cometida.

Girassóis Femininos, do escritor Luís de Oliveira, foi publicado pela Giostri em 2018 (1ª edição, 167 páginas) e tem como plano central um assassino em série, cujas vítimas são mulheres.

O livro traz a história de um homem chamado Edu, que usa da sedução para atrair suas vítimas, valendo-se de seus traços físicos. Na ânsia de saciar o seu desejo sexual ele busca prazer na relação, mas o ápice para esse indivíduo é a morte da vítima. Ele quer vê-las completamente submissas e entregues, para que ele alcance o seu objetivo que é o de retirar-lhes o bem mais precioso: a vida. Não importa a idade delas. Se sentir alguma “atração” investe na sedução forçando uma relação e aí o bote está dado, tal qual uma cobra sorrateira.

Em contraste com sua brutalidade, mas não menos brutal, ele deixa no corpo das vítimas uma marca: um girassol. A flor aparece na obra com uma simbologia que evoca uma história pregressa da vida de Edu. Quando criança, o personagem teria enfrentado uma situação que usurpou dele momentos de paz e tranquilidade.

Girassóis Femininos tem a narração feita em terceira pessoa, no entanto, senti que a obra trata dos crimes na perspectiva de quem os pratica – o personagem Edu. O leitor sabe, já na primeira página, que o protagonismo será levado a cabo pelo viés do criminoso, que vê no aroma exalado no sexo o modo de camuflar lembranças de um passado cruel. A visão de que narração é feita pela perspectiva de tal personagem pode ser notada quando há descrições se referem a mulher como objeto ou que lança a elas visões machistas.

O autor se arrisca numa linha tênue e controversa que pode gerar interpretações conflitantes para o leitor. Conflitos que poderiam ser afastados com a narrativa feita em primeira pessoa. Sem dúvida, algumas passagens causam desconforto, pela visão desse personagem que tem a mulher como uma fonte no qual despeja seu prazer, até a morte. Isso faz parte da concepção psicológica de Edu.

Como estamos falando de serial killer, um senão deve ser apontado, que é o fato de que a culpa e o remorso, que são sentimentos nulos em serial killers, chegam a ser usados para a constituição do personagem matador. Edu flerta com esses sentimentos em algumas passagens do livro, o que o fragiliza.

A jornada desse serial killer é impiedosa. Ele deixa no corpo das vítimas a marca de um girassol, símbolo que traz consigo não só a beleza e a sensibilidade da flor,  mas também aquelas dores pessoais originadas na infância. São essas marcas que permitem com que a polícia ligue os casos.

Nas descrições dos crimes há, naturalmente, cenas de sexo, dado que o crime praticado pelo serial killer é dessa natureza. Seduz, busca o prazer sexual e conduz a vítima à morte. A visão que o personagem tem é um tanto ambígua, posto que ora ele vê as mulheres como flores de seu jardim, mas no momento seguinte o que deseja é ataca-las, como se fosse o jardineiro disposto a ceifar a vida da plantação que cultivou. Nesse sentido, Edu revela a sua mente deturpada.

Edu é um personagem que causa repulsa pelas práticas que tem, embora tenha em seu passado sofrido um ato igualmente repulsivo. Esse homem, no entanto, entre quinze crimes que são apresentados em Girassóis Femininos (de 1996 até 2005), se depara com uma pessoa que é capaz de fazê-lo olhar para si e para as mulheres de um jeito diferente. É por meio dela que ele sente-se confortável a revelar a sua história pregressa. Talvez com ela, Edu encontre alguma luz no mundo de escuridão pelo qual resolveu seguir.

Sobre o autor
Foto: Divulgação

Luís de Oliveira é formado em Licenciatura em Educação Física. Escritor e poeta, mora em Pereira Barreto – SP. Medalhista de bronze da Olímpiada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro, em 2012, publicou o livro de poesia Choro de Gratidão (Baraúna, 2013) e o romance Um Coração e Seus Segredos (2015). Atua como professor em vários projetos culturais e sociais que incentivam a leitura e a escrita. Foi o 12º colocado no Prêmio Sarau Brasil com o poema Tempestade, entre 3.706 inscritos para a escolha de 20 poemas.

Ficha Técnica

Título: Girassóis Femininos
Escritor: Luís de Oliveira
Editora: Giostri
Edição: 1ª
ISBN: 978-85-516-0207-2
Número de Páginas: 167
Ano: 2018
Assunto: Literatura brasileira

Girassóis Femininos – Luís de Oliveira Girassóis Femininos – Luís de Oliveira Reviewed by Tomo Literário on 13:03 Rating: 5

Nenhum comentário:

Deixe aqui seu comentário.

Tecnologia do Blogger.