O Demonologista - Andrew Pyper

“O Demonologista”, livro de Andrew Pyper foi publicado no Brasil em 2015 pela Editora Darkside. É considerado um best-seller do The New York Times. O título, sem dúvida, causa certa angústia ao leitor. Li comentários em redes sociais, por exemplo, de terem medo e, logicamente, certo arrepio sobre a possível abordagem dada pelo livro. O tema parece mexer com o imaginário das pessoas e Andrew explorou bem certo mistério que vai se revelando no texo.

O livro inicialmente apresenta um ritmo mais lento. De certo modo parece ir preparando o espírito do leitor para o que há de vir. David Ullman é um professor e profundo conhecedor da obra de Milton (John Milton), que foi um escritor inglês do século XVII. “Paraíso Perdido” é a obra-prima de Milton e trata da expulsão de Adão e Eva e, da relação, do anjo Lúcifer. Algumas referências a Milton são utilizadas no livro de Andrew, durante a jornada empreendida por Ullman.

David se apresenta ao leitor:

“Meu nome é David Ullman. Sou professor do Departamento de Inglês da Universidade de Columbia em Manhattan, um especialista em mitologia e narrativa religiosa judaico-cristã, apesar de meu verdadeiro ganha-pão, o texto cujo estudo crítico garantiu minha posição na Ivy-League e convites para várias inutilidades acadêmicas em todo o mundo, ser Paraíso Perdido, de Milton. Anjos caídos, a tentação da serpente, Adão e Eva, pecado original.”

O professor é contratado para ir a Veneza e lá um acontecimento o aflige. Ele de certo modo percebe com o que está mexendo e o que o envolve. Tal acontecimento, que afeta sua filha Tess, o deixa incomodado. Ele tem então de partir em busca de esclarecimentos e do conhecimento sobre o que, ou quem, o está sondando. Citações à obra de Milton parecem ser uma peça fundamental para a descoberta.

“O Perseguidor”, assim chamado por Ullman, deseja um documento, que pode ser uma prova irrefutável da existência do demônio, chamado de “Inominável”. David tem sua vida tomada e cercada pela busca de esclarecimentos e o enfrentamento com esse ser oculto.

Há suspense, medo, aflições e uma dosagem obscura que vai envolvendo o leitor. A história é inteligentemente arquitetada, sem ser totalmente agressiva. O que poderia ser esperado de um livro que trataria o demônio como tema. A narrativa de Andrew Pyper, no entanto, me surpreendeu pelo aspecto sutil, mas sem perder a sombriedade, a provocação e o medo que um livro assim deveria despertar.

“Há coisas neste mundo que a maioria de nós nunca vê, acabo de falar. Nós nos treinamos para não vê-las, ou tentamos fingir que não vimos se elas ocorrem. Mas há uma razão para o fato de, não importa o quão sofisticadas ou primitivas, todas as religiões terem demônios. Algumas podem ter anjos, outras não. Um Deus, deuses, Jesus, profetas – a figura de autoridade máxima varia. Há muitos tipos diferentes de criadores. Mas o destruidor sempre toma, essencialmente, a mesma froma. O progresso do homem tem sido, desde o início, frustrado por provadores, mentirosos, corruptores. Criadores de pragas, loucura, desespero. A experiência demoníaca é a única verdadeiramente universal de todas as experiências religiosas do homem.” (Trecho de diálogo de David Ulmman, o demonogolista).

Implicitamente na história escrita por Pyper, notamos o questionamento interno e pessoal de alguém que vê sua vida tomada por algo inexplicável. E sua busca por explicação está presente nas vivências que tem. De certo modo, essa busca por explicações pauta a vida de qualquer homem. Com o personagem não é diferente. A figura que ele busca, acredito eu, que de certo modo é um pouco do seu próprio lado obscuro, que precisa ser enfrentado. Isso dá uma boa medida ao terror contido no texto.

O livro é muito interessante e fui me envolvendo na medida em que a história foi avançando. Recomendo a leitura!



Ficha Técnica
Título: O Demonologista
Escritor: Andrew Pyper
Editora: Darkside
ISBN: 978-85-66636-40-6
Edição: 1ª
Número de Páginas: 320
Ano: 2015
Assunto: Literatura americana

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário.