Amityville - Jay Anson



“O sábio sabe que ele não sabe – e o prudente respeita o que não controla.” (do prefácio escrito pelo reverendo John Nicola).

Amityville (título original Amityville Horror), de Jay Anson, foi publicado no Brasil em 2016 (240 páginas) pela DarkSide Books, com tradução de Eduardo Alves. A publicação original é datada de 1977.

Não importa o tamanho da cidade que você habita. Certamente, deve ter aí na sua lembrança, alguma referência sobre casa mal-assombrada. Muitas vezes aquele casarão abandonado pela família e que está lá, disponível, sendo consumido pelo tempo, ganha ares de lenda urbana como local de crimes e que, posteriormente, tem a presença de vultos, ruídos e outras manifestações sobrenaturais. Fruto do imaginário ou não, as histórias ficam circulando apenas como lendas, sem a constatação de algum estudioso ou a confirmação de quem, em algum tempo, habitou o local.

No livro de Jay Anson o leitor vai conhecer acontecimentos relacionados a grande casa colonial situada na Ocean Avenue, número 112, em Amityville, Long Island. Ali, na noite de 13 de novembro de 1974, um homem chamado Ronald DeFeo, então com 23 anos, assassinou a tiros  de rifle de alto calibre, o pai, a mãe, os dois irmãos e as duas irmãs, enquanto dormiam. Incriminado pela chacina, seu destino foi a condenação à prisão perpétua.

Em 1975, mais precisamente, no dia 18 de dezembro, os novos proprietários da residência mudaram-se para o local. George Lee Lutz e Kathy Lutz, e seus três filhos (Christopher, Daniel e Melissa), passaram a habitar a casa de seis quartos em estilo colonial holandês, com três andares. Para facilitar a compreensão do leitor com relação aos fatos que são descritos nos ambientes da residência, no livro tem a planta do imóvel.

Aquele endereço guardava segredos e uma porção de fatos estranhos aconteceram no período em que a família residiu no local. Muitos eventos vão além, pois ocorreram fora dali com pessoas que, de alguma forma, tiveram contato com a misteriosa residência, na qual o crime familiar ocorrera no passado. É como se uma força estranha tentasse impedir qualquer tentativa de elucidar ou por fim aos sucessivos eventos sinistros.

“Como é possível lutar contra algo que não se pode ver?”

A propriedade da Ocean Avenue onde os eventos ocorreram. Foto: Reprodução
Odores fétidos, alternância de temperatura, objetos movidos sem a presença de alguém, barulhos diversos ecoando pela propriedade, sensação de toque no corpo, sensação da presença de alguém, marcas, janelas abertas, alteração de humor e mudanças de comportamento são alguns dos eventos vivenciados pela família de Goerge e Kathy, no 112 da Ocean Avenue.

Os eventos sobrenaturais descritos na obra são verídicos. A família em questão de fato residiu naquele endereço e todas as manifestações, dentro e fora (como as que afetaram o padre Mancuso), ocorreram tal qual como foram descritos por Jay Anson. Vale dizer que alguns nomes foram alterados, como se alerta logo no início da publicação, para preservar a real identidade das pessoas envolvidas.

Foram vinte e oito dias que os Lutz habitaram a residência. Posteriormente, tomaram a decisão de gravar uma narrativa dos fatos que ali vivenciaram para ter um relato o mais fiel possível do medo que sentiram e da tensão que os rondou naquele período. Todos os eventos sobrenaturais que vivenciaram foram mencionados nos relatos.

O autor revela que “quando os Lutz fugiram da casa no início de 1976, não tinham nenhuma intenção de descrever suas experiências em um livro”. Só o fizeram depois que matérias de jornais e televisão eram feitas em relação aos eventos acontecidos na casa e apresentavam-se de maneira distorcida e recheada de sensacionalismo. Para contrapor o que os outros diziam, eles que haviam vivenciado os terríveis fatos, se disponibilizaram a escrever um livro e contar a sua versão sobre o que passaram.

A leitura de Amityville nos leva a querer saber mais sobre possíveis ocorrências sobrenaturais descritos ao longo das páginas. Na parte final, intitulada Nota do Autor, há algumas explicações sobre o que causou tanto medo e desconforto aquela família.

Há muito que o ser humano se depara com o desconhecido, não é de hoje. Conhecer a história da família Lutz causa medo, dá arrepios, e nos mostra que há acontecimentos que podem ser chamados de inexplicáveis. Paranormais, pessoas que lidam com parapsicologia e religiosos também confirmaram os eventos passados no 112 da Ocean Avenue. E bem conclui o autor: “quanto mais racional a explicação for, menos sustentável ela se torna”.

Sendo um livro que estuda um caso real, ainda que fosse apenas ficção, traz uma boa e intensa história de terror e sobrenaturalidade, capaz de despertar a curiosidade e causar temor em quem lê. O trabalho efetuado por Jay Anson é minucioso, trazendo detalhes dos eventos que aconteceram à família e descrevendo as cenas com precisão, o que faz o leitor sentir a tensão que os cercava no período em que a família ali residiu.

Prepara-se para ler um bom livro que provoca calafrios e sensações de medo!

Foto: Reprodução
Sobre o autor

Jay Anson nasceu em 04 de novembro de 1921, em Nova York. Escritor e roteirista de diversos curtas de documentários, sua fama chegou ao ápice com Amityville, publicado originalmente em 1977. Após isso, chegou a escrever 666, livro que também lidava com a temática de casas mal-assombradas. Faleceu em 12 de março de 1980, aos 58 anos.

Ficha Técnica

Título: Amityville
Escritor: Jay Anson
Editora: DarkSide Books
Edição: 1ª
ISBN: 978-85-945-4012-6
Número de Páginas: 240
Ano: 2016
Assunto: Demonologia – estudo de caso
Amityville - Jay Anson Amityville - Jay Anson Reviewed by Tomo Literário on 00:05 Rating: 5

Nenhum comentário:

Deixe aqui seu comentário.

Tecnologia do Blogger.