Peter Pan - J. M. Barrie



Peter Pan foi escrito por J.M. Barrie. Em 1867 seu irmão David sofreu um acidente e morreu. De certa forma isso ficou no imaginário do autor, uma vez que aquele irmão fixaria a imagem de um garoto que nunca cresceu.

Wendy, João e Miguel são os filhos do Sr. e da Sra. Darling. Eles vivem numa casa e as crianças tem uma babá que é uma cachorrinha de nome Naná. O pai é meio rude e vive a fazer as contas para manter a família, a mãe aparentemente é mais maleável.

Certo dia um inusitado personagem aparece na vida daquela casa, mais precisamente para Wendy. O nome dele: Peter Pan. Ao contar para  a mãe, esta se lembra de histórias sobre um tal Peter Pan, que ouvia na infância. Diziam até que era um menino que conduzia outras crianças quando elas morriam.

“Wendy olhou-o com intensa admiração e Peter achou que era porque ele tinha fugido, mas, na verdade, era porque ele conhecia fadas.”

Seria imaginação da menina? Eis que a mãe também se depara com ele e sua sombra fica presa na casa. A fada Sininho vem tentar resgatar a sombra de Peter. E ele tem a oportunidade de se aproximar da criança Wendy.

Peter, Wendy, os irmãos e a fada vão para a tão falada Terra do Nunca, que seria a Ilha em que Peter Pan, o menino que não sabe sua idade e que fugiu quando nasceu, habita. "Segunda à direita, e direto até amanhã de manhã", eis o endereço que Peter Pan relata em relação à localização do seu lar.

Lá na Terra do Nunca eles vão viver uma série de aventuras, incluindo algumas envolvendo o pirata Capitão Gancho (o antagonista do menino). Ali Wendy vai assumir o papel de mãe dos meninos perdidos e de seus próprios irmãos e vai também ser posta a prova pelo ciúme de Sininho em relação a Peter Pan. E, claro, não faltam conflitos e enfrentamentos entre o grupo de crianças e o temível pirata que tem um gancho no lugar da mão. 

Nem tudo será apenas brincadeira. A fantasia, o sonho, a magia que envolve essa "independência" também tem seu revés. A existência de Peter é um mistério. Ele pouco fala sobre o seu passado, mas há certa mágoa em pontos que ele revela coisas sutis sem muito detalhamento. Mas uma coisa é certa: ele não quer crescer, quer continuar criança. 

“Todas as crianças crescem, menos uma.”

Peter Pan é a personificação daquele que não quer crescer, não quer se tornar adulto. Na constituição do personagem há o contraditório. Do mesmo modo que ele é capaz de expressar inocência, ingenuidade e bondade, tem também em suas ações muita rebeldia, agressividade e violência. Esse paradoxo está em plano secundário, mas as aventuras do garoto envolvem até morte. Reside nesse menino a “crueldade” do adulto e a “pureza” da criança.  

Conforme citado na apresentação do livro Peter Pan pode ter surgido de brincadeiras que o autor fazia com os filhos do casal Sylvia e Arthur Llewelyn Davies. Eles se encontravam quando Barrie passeava com seu cão no Kensington Garden.
 
Foto: Editora Zahar
Wendy, a jovem menina, assim como Peter Pan, expressa também papel de adulto. Ela tem essa função quando se torna protetora e age como mãe para os Meninos Perdidos e seus irmãos. Por outro lado, parece que, a medida que o tempo avança, seus pais parecem ficar cada vez menos presente em seus pensamentos, embora houvesse uma esperança de que eles a esperavam. 

De certo que muitas pessoas conhecem Peter Pan e suas aventuras pelas lentes de animações e outras tantas versões que são lançadas e adaptadas (no cimena, na literatura, no teatro). No Brasil, por exemplo, o personagem foi apresentado por Monteiro Lobato; que fez sua versão em 1930.

O livro publicado pela Zahar em 2013 traz o texto integral, em edição de luxo e de bolso (capa dura) e conta com tradução de Julia Romeu. Faz parte da coleção Clássicos Zahar, que traz ao público textos da literatura mundial. 

Um livro para encantar e encher de magia tanto crianças, quanto adultos, jovens e maduros. Peter Pan consegue atingir todos os públicos pela fantasia que envolve. Ele tem em seu jeito único e controverso algo que é capaz de agradar a todos os públicos. Peter Pan suscita a vontade do adulto de manter-se livre do que oprime, censura e obriga. 


Foto: Reprodução
Sobre o autor

James Barrie nasceu na Escócia, em 9 de maio de 1860. Depois de formado em litertura pela Universidade de Edimburgo, mudou-se para Londres. Seu primeiro romance foi Better Dead (1887). Barrie começou ganhando a vida como jornalista freelancer. Criou uma história chamada The Boy Castaways of Black Lake Island, que é considerado o mais antigo esboço de Peter Pan, e que hoje está na Biblioteca Beinecke, em New Haven, Connecticut, nos Estados Unidos. Em 1902 escreveu The Little White Bird. Dois anos depois levou ao palco do teatro a peça Peter Pan, or The Boy Who Wouldn’t Grow Up. Foi em 1911 que ele escreveu o livro em prosa chamado Peter and Wendy, depois renomeado Peter Pan.


Ficha Técnica
Título: Peter Pan 
Escritor: J. M. Barrie 
Editora: Zahar 
Edição: 1ª 
ISBN: 978-85-378-1153-5 
Número de Páginas: 253 
Ano: 2013 
Assunto: Literatura infantojuvenil inglesa

2 comentários:

  1. Que resenha linda!! Adorei! Eu estou lendo ainda, o da nova edição da Martin Claret, mas sempre achei o Peter Pan um personagem intrigante! <3

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  2. Que resenha maravilhosa! Li também e recomendo! Atualmente, estou lendo Rei Arthur de Howard Pyle, mais um clássico da Editora ZAHAR. O Corcunda de Notre Dame e Contos de Fadas dessa editora são livros maravilhosos também! Amo clássicos!

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu comentário.