A evolução de Calpúrnia Tate – Jacqueline Kelly


Sinopse
Calpúrnia Virginia Tate tem 11 anos em 1899, quando pergunta o porquê de os gafanhotos amarelos em seu quintal serem tão maiores do que os verdes... Com uma pequena ajuda de seu notoriamente mal-humorado avô, um ávido naturalista, ela descobre que os gafanhotos verdes são mais fáceis de ser vistos contra a grama amarela e, por isso, são mortos antes que possam ficar maiores.Por gostar de explorar a natureza ao seu redor, Callie acaba criando um relacionamento próximo com seu avô enquanto enfrenta os desafios de viver com seis irmãos e se depara com as dificuldades de ser uma garota na virada do século.Em seu livro de estreia, Jacqueline Kelly habilmente traz Callie e sua família para a vida, capturando o crescimento de uma jovem com sensibilidade e humor. A evolução de Calpúrnia Tate conquistou dois importantes prêmios em 2010, o Newbery Honor Book e o Bank Street - Josette Frank Award.
A menina Calpurnia vive com seus pais, avô e irmãos no Texas. Ela é quem narra a história do livro “A Evolução de Calpúrnia Tate” da escritora  Jacqueline Kelly, publicado pela Única Editora em 2014. Ao longo de suas 380 páginas conhecemos  a personagem através de sua narrativa.
“Naquele verão eu tinha onze anos e era a única menina entre sete filhos. Dá para imaginar situação pior? Meu nome é Calpúrnia Virgínia Tate, mas naquela época todo mundo me chamava Callie Vee. Eu fazia a ponte entre três irmãos mais velhos – Harry, Sam Houston e Lamar – e três irmãos mais jovens – Travis, Sul Ross e o bebê Jim Browie...”
A menina não tinha um relacionamento muito próximo de seu avô, Walter Tate. Ela o descreve, inicialmente, como “um personagem obscuro”. Mas, a menina que é apaixonada pela teoria naturalista começa a fazer anotações, em uma caderneta de capa vermelha, sobre tudo que vê. Com o incentivo de seu avô, de quem ela se aproxima, justamente pela curiosidade que tem sobre naturalismo, ela vai descortinando o mundo ao seu redor. Walter incentiva a neta a ler “A origem das espécies” de Charles Darwin.

Calpúrnia faz uma descoberta interessante e junto com o seu avô divulga para a sociedade científica.
“... E se não fosse haver nenhuma Ciência para mim, nem artes domésticas, o que sobraria? Onde estaria meu lugar no mundo? Isso era imenso demais e apavorante demais para pensar: Consolei-me com as palavras do vovô no registro do fóssiel e o Livro de Gênesis: é mais importante entender uma coisa do que gostar dela. Não era necessário gostar para entender; gostar não fazia parte disso.”
Ao longo da narrativa a menina vai contando sobre o seu cotidiano, a relação com seus irmãos e amigos, e sua pretensão futura em se tornar uma cientista.  Não podemos deixar de citar que há o dilema da época em que a história se passa, 1899. Época em que as famílias não pensavam em ver mulheres como cientistas. A de Calpúrnia não é diferente.

Tenho de confessar que esperava mais da história de Calpúrnia, muito embora seja um livro bem escrito, sem dúvida. Contudo, acreditava que poderia ter mais pontos de conflito e/ou controvérsias. Em que pese o fato de a menina viver na virada do século XIX para o século XX, senti falta de uma história mais vibrante. Isto não significa, porém, que seja uma história ruim. Valeu a pena a leitura e recomendaria que outras pessoas lessem.

O livro é a estréia de Jacqueline em romances. A autora exerceu Medicina, Direito e passou a escrever ficção. Em 2001 teve seu primeiro conto publicado.


Ficha Técnica
Título: A evolução de Calpúrnia Tate
Escritora: Jacqueline  Kelly
Editora: Única
ISBN: 978-85-67028-41-5
Edição:
Número de Páginas: 380
Ano: 2014
Assunto: Ficção / Literatura juvenil

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário.